Sobre a Chapada

História

A Chapada Diamantina localiza-se no centro da Bahia, a 420Km de Salvador. É uma vasta área de 38.000Km2 sobre um extenso platô que varia de 400m a 2000m ao nível do mar, maior do que muitos países como Holanda, Bélgica ou Israel.

Seu processo de formação começou a cerca de um bilhão e seiscentos milhões de anos e hoje é possível apreciar o resultado da erosão causada por ventos, rios e mares, nas muitas camadas de rochas sedimentares da região.

A criação e ocupação das cidades e vilas da Chapada Diamantina é fruto direto da exploração de diamantes. No sec XVIII, teve início uma exploração de ouro na parte sul da Chapada, pela região de Rio de Contas, mas foi com a descoberta de diamantes na Serra do Sincorá, no sex XIX, é que começou a formação das futuras cidades como Mucugê, Andaraí e Lençóis, que se tornou o centro da comercialização de diamantes na época. O dinheiro que corria a solta atraía pessoas de todos os lugares, aventureiros, sertanejos, garimpeiros, donos de escravos, comerciantes e muitos outros.

Após cerca de vinte e cinco anos, duração da fase áurea do garimpo, com a decadência do diamante e a descoberta de jazidas de diamantes na África, houve um grande abandono da região. Os que permaneceram, foram se adaptando ao trabalho rural, ao gado e a agricultura. Em áreas de solos menos prósperos como Lençóis, o garimpo perdurou até por volta de 1985, quando a atividade foi finalmente proibida, e foi fundado o Parque Nacional da Chapada Diamantina, com a intenção de proteger a região e incentivar o turismo ecológico.

A área total do parque é de 1520Km2, mais da metade da Serra do Sincorá, rodeado pelas principais cidades e vilas da região: Lençóis, Andaraí, Mucgê, Palmeiras, Vale do Capão e Igatu.

Hoje, milhares de turistas do mundo inteiro visitam a Chapada Diamantina todos os anos, desfrutando dos visuais incríveis de cachoeiras, cadeias de montanhas e cânions impressionantes, poços de água azul turquesa, complexo de grutas de calcário e até um pantanal, são parte das muitas atrações da região.

Natureza

A Vegetação da Chapada Diamantina é bem diversificada, misturando áreas de mata atlântica, campos rupestres, agrestes e caatinga, abrangendo diversos tipos de orquídeas, bromélias, trepadeiras, além de uma grande variedade de plantas medicinais.

Entre os animais encontrados na região, destaca-se a variedade de pássaros e répteis, amimais como o tamanduá bandeira e mixila, tatu, porcos espinhos, gatos selvagens, capivaras entre outros. Algumas espécies estão ameaçadas de extinção, principalmente devido à caça.

O Fogo

O Fogo é hoje o maior inimigo da Chapada. Todos os anos a região sofre com incêndios florestais criminosos, principalmente nas épocas de seca, em que o calor, a vegetação seca e o vento espalham com muita rapidez as chamas, afetando regiões de  nascentes de rios e de vegetação nativa.

Os recursos do governo são mínimos em face a necessidade da região, e todo o combate a incêndios florestais e realizado por Brigadas Voluntárias, existentes em cada região da Chapada, formada por guias, nativos, moradores e defensores da natureza, que arriscam suas vidas para proteger as belezas da região em que vivem.

Fontes:
- Um Guia da Chapada Diamantina – Roy Funch
- Adaptação do livro “Inventário de Proteção do Acervo Cultural, Monumentos e Sítios da Serra Geral e Chapada Diamantina” publicado pelo IPAC – Inventário de Proteção do acervo cultural da bahia em 1980.

Praça Horácio de Matos n. 130 Centro - Lençóis - Chapada Diamantina - Bahia - Brasil

Tel: + 75 3334-1054 / 99833-4465 / 99992-2370 / 99946-8122

Contato: chapada@nasalturas.net

Mtur 05.023.458.10.0001-8